quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

O infinito é outra forma de fim
E findo aqui meus anseios de pedra e de pássara
Não posso voar por ser pedra
Não posso ficar por ser pássara
Finco minhas duras asas no limbo
Não sou essência
Alcanço outra permanência
E fico apenas pedra e pássara.

4 comentários:

Chuvas de Outono disse...

Lindo eeee forte... Vc não dorme mais não? 4:40 da manhã.....

Chuvas de Outono disse...

Lindo!!! Vc não dorme mais não? 4:40 da manhã?

Yani Reboucas disse...

Durmo as vezes..rsrs

Fernando Rainer disse...

que belo!

Amigos reais em meio virtual: