quinta-feira, 16 de agosto de 2012

era uma vez uma princesa que virou bruxa...

e penso nas princesas e fadas
de reinos antigos
dos livros de história
e penso nas dores muitas
de quem esperava resposta
e esperando se perdeu na espera
nos livros, nos contos
e em tudo que parecia lhe dar
o que a vida não dera



e penso na mulher
que desconstruiu conceitos
pensou e repensou quem era
e que inúmeras vezes
mudou de ideia



arriscando fichas
encaçapando sonhos
cantando canções de dor
cultivando jardins de espinhos
na torre dos sonhos perdidos



bem ali a mulher-princesa se encantou
e tornou-se a bruxa dos sonhos alheios
aquela que não dava amor
que apenas seduzia
para depois partir
desistir
sem final feliz

mas bruxa-mulher-princesa
nada disso importava
o que ela queria mesmo
só encontrava na palavra
liberdade de criar e construir
dialogar consigo mesma
fingir fugir




(pensamentos no papel
libertam de torres invisíveis)

Amigos reais em meio virtual: