quinta-feira, 29 de abril de 2010

Isso de mim...

Isso de mim mesma que se perde em dúvidas
é pedra papel tesoura
nas brincadeiras de infante
que longe ficaram no espaço

Isso de mim mesma de querer demais
é coisa de menina luxenta
que mãe já cansou de ensinar
e que teima e insiste sentada no chão

Isso de mim mesma de não saber
quem sou, o que quero e meu rumo
é coisa de mulher que presa a infância
requer muito mais que anos e corpo

sábado, 24 de abril de 2010

Toda mulher é poesia

É preciso que sejas
Água, pão, amor e luta
Que tragas fé, consolo, equilíbrio
Que venças qualquer disputa

É preciso que sejas
Que sejas até quando não és
Que desperte novo alento
Em quem já perdeu a fé

É preciso que sejas
Que proclames que encantes
Que venhas que inspires
E faças valer cada instante

É preciso que sejas
Feminino que és
É preciso que geres
Não sem antes seduzir
É preciso que reveles
O segredo de existir.




[Feita de versos,
.
.
.
Feita-me versos
.
.
.
Feita com-verso
.
.
.
E acho o caminho...]

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Era uma vez Joana

Era Joana quem mais uma vez começava aquela conversa. Era ela que insistia. Era ela quem dizia. Quem fazia, quem jurava e acontecia. Quando enfim olhou nos olhos, constatou apavorada que tudo aquilo que falava virava pó e mais nada. Bem ali, na sua frente, não havia mais ninguém. Percebeu que quem te ouvia, era uma casa vazia, era sua companhia: ninguém.

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Pedaços... [resgatando antigos escritos...]

Falta
Fev 10 2008, 1h43

Falta um espaço no tempo
um lugar no momento
em que a falta deixe de existir
Falta o silêncio e a fala
a paixão e o tédio
que o cotidiano permite fluir
Falta o sentir que sentes
sentido o que sinto em te sentir...


Silêncio...
Fev 24 2008, 23h55

...ausência do som
da voz que me diz
do pouco de mim
que teimo em não ouvir...




Tempestade
Fev 25 2008, 23h22

Sou um mar em dia de furacão...
sou água, vento, rocha, areia, indefinição...
sou a busca e o encontro
certeza e confusão...

(by Yani)

quarta-feira, 14 de abril de 2010

"tem dias que a gente se sente como quem partiu ou morreu..."



as vezes ficamos sós...
as vezes nos deixam a sós...
as vezes nada é tão bom...
as vezes nada dói tanto...

quarta-feira, 7 de abril de 2010

sobre-vida...

Tudo que escrevo é vida
que entra na porta da frente
e sai pela porta dos fundos...
Vi vida saindo sem medida,
gritando corrompida,
chorando a dor sofrida,
cambaleante,
desvalida...

mas, também vi vida
entrando alegre, divertida
sorrindo na torcida
de encontrar a medida
pra tanta vida vivida...

[sem pudores para as rimas,
encontro minha medida,
reencontro a saída
e acalmo a dor sofrida,
quando escrevo: vida]

Amigos reais em meio virtual: