quarta-feira, 24 de março de 2010

A escolha

Parada no caminho Joana não sabia para onde ir. Detestava toda e qualquer bifurcação. Passara a vida evitando-as, mas, ultimamente, estava se tornando impossível conseguir essa façanha...
A dualidade parecia-lhe um grande mal. Lidar com diferentes possibilidades corroía-a como um câncer. Então fugia. Sempre. Uma alucinada fuga que não a levava a lugar algum. Agora estava certa disso. Diante de si, não dois caminhos, mas vários... a estrada que tomara se repartia agora em muitas outras... quantas opções!! Não havia o que fazer... tinha que tomar uma decisão... então, exausta, deitou e dormiu...
um touro bravo, um cavalo selvagem, um carro desgovernado, um monstro. Um após o outro, todos os sonhos que tivera a deixara em situação semelhante. Acuada diante da escolha. Perseguiam-na até a encruzilhada e a deixavam só, abandonada à própria sorte. Assustada, transpirando muito, Joana acordou... olhou ao redor, tomou pé da situação que imanente e transcendente lhe cercava,e, de pé, respirou fundo indo em direção...
qual? não importa... não importa o caminho, importa o caminhar... e resoluta, Joana caminhou! Certamente chegará.

sexta-feira, 19 de março de 2010

não me basto...

Demoro a postar porque fico esperando um sopro divino que me torne leve para criar...

Não sei escrever, no entanto, preciso tanto...

Ainda que tente, não me basto... Sopre, Deus! E me construa verso...



Poein + Emá

faço versos como quem sangra
de mênstruo ou de faca
vazam-me os versos hemorrágicos
sem sentido ou construção
sangro apenas o que me vaza
escrevo versos, viro canção...

domingo, 7 de março de 2010

Ver-so

Feita de versos,

espalho-me pétalas

de rosa que apenas espinhos deixou


Feita-me versos

acordo metáfora

e espalho poemas nos interstícios do Amor


Feita com-verso

tolero os espinhos

Fragmentos de dor que permito existir


Despida dos versos

eu perco o caminho

e vago no vácuo perdida de mim

Ver-só

a madrugada lentamente me consome...
sou e só, isso basta! (ou não?)
basta que eu saiba e pronto.
o resto é conversa
é balela
não importa


não me importa o que pensas
ou acreditas
nem quem queiras (desejas? - eu tb!)
respeito o que sou, o que faço
e o que quero...
respeito em mim tudo
que amo, desejo e confio

mas hoje isso não importa
pois não é nada disso que conta...
conta nossa história
nossa lágrima
nossa dor...
conta a certeza do que não sou
e do que és
conta a beleza de ver-te
e de crer em ti
verdade e só.

Conta o saber de ti que vejo em mim.
verdade e só.

Amigos reais em meio virtual: