domingo, 26 de outubro de 2008

Janela

Espio olhares
Expio pecados
Espreito a vida por esta janela
Estranho o morro 'extranho' ao planalto
Inspiro a brisa que vem do mar
Expiro a saudade...

Estou aqui e não saio de lá


(by Yani, Rio de Janeiro, 09/10/2005)

sábado, 25 de outubro de 2008

Sala de espelhos

atrás, olhar duro,
inquisitivo, opressor...

ao lado, olhar crítico,
cruel, questionador...

a frente, olhar dócil,
suave, com rancor...

No centro todos olhares
convergem num refletor
olham, mas não enxergam
cegados pela dor.


Espelho do ontem
do hoje e do depois
reflete o mesmo,
o sempre igual,
retrato de nós dois.

(by Yani)

terça-feira, 21 de outubro de 2008

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

...

"vazio agudo
ando meio
cheio de tudo"


(by Leminski)

haicai perfeito pra definir meu sentimento de agora...

"amanhã vai ser outro dia..."

E salve Chico!

p.s. q postagem péssima... :P

sábado, 11 de outubro de 2008

(em)balada...

a noite
o som
a música
a dança
e a fisgada no peito
do leite que já não é
preciso
necessário
estar dentro e fora
querendo voltar
ao agora (?)
impossível lugar


(by Yani)

No bar...

Bar - besteiras no ar...

Bebida servida
Arrasta a dor, a ferida
Revive a ilusão...





BRILHA LUZ
ARTIFICIAL
CÃO ANDALUZ
DALI DAQUI
DE QUALQUER LUGAR
RELUZ
PAR SEM PAR
SEDUZ
SURREAL
INDUZ
AO IDEAL
A LUZ



(by Yani)

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Mar

"Fez-se mar, sem ar no meu penar..." Los Hermanos


Quero o mar
e o azul que posso tocar
Quero o mar
e o medo do mistério que nele há

Quero amar
e tocar com meu medo seu mistério
sem pesar
sem pensar
Mergulhar...


(...)


(by Yani)

domingo, 5 de outubro de 2008

O PRAZER

A boca e o ouvido me consomem. A verdade é que não fico sem falar, sem comer, nem tampouco sem ouvir. Não dá para não desfrutar o prazer do paladar, e, por outro lado, não dá para resistir ao prazer da palavra, rica, bonita, sentida...
É por isso que tenho horror aos exagerados... há pessoas que berram tanto que incomodam o mais surdo dos mortais... berram seu poder, ou sua sede dele, berram sua impotência, mascarada de virilidade...
Não, ouvir não é ser violentada por um som. Não quero (seus) gritos, não quero (seus) berros inconvenientes...
Quero o som suave dos acordes musicais, dos poemas declamados, das confidências insinuadas.
Quero o som da sua voz, sutil, sincera. E o amor das palavras que penetram docemente meus ouvidos...


(By Yani, Gyn, 31/08/2007)

Amigos reais em meio virtual: